logo

13/7/2014 18:50

[COPA 2014] Para a história! Alemanha é tetra no Maracanã com gol na prorrogação!

Mário Götze sai do banco e faz o único gol do tetracampeonato alemão, para delírio da torcida brasileira e frustração dos argentinos no Maracanã

[COPA 2014] Para a história! Alemanha é tetra no Maracanã com gol na prorrogação!

Mario Götze festeja um gol para a história: título alemão no Maracanã (Foto: Reuters)

A maluquice é pensar que não temos vaga ideia do que fazíamos em 3 de junho de 1992, quando pela primeira vez Mario, mais um recém-nascido qualquer a chorar em um hospital qualquer da Alemanha, viu a luz. Dada nossa sina de marionetes do tempo, estávamos indiferentes à história que começava a ser costurada – lavávamos louça, víamos novela, reclamávamos do centroavante tosco de nosso time, discutíamos futebol com nosso pai, aquela figura de rugas desenhadas também pela dor e pela glória que o futebol tanto nos dá. Não podíamos imaginar o que aconteceria tanto tempo depois, naquele inalcançável 13 de julho de 2014, naquele futuro domingo de sol no Maracanã, naquele instante precioso em que o pequeno Mario, o gigante Mario Götze, com apenas 22 anos e uma eternidade pela frente, receberia de Schürrle aos oito minutos do segundo tempo da prorrogação, desviaria para o gol, protagonizaria a vitória por 1 a 0 sobre a Argentina, tornaria a Alemanha tetracampeã mundial de futebol!

A Argentina de Messi foi grande até os limites supremos. Encarou um time melhor e talvez merecesse a vitória, o título, tanto quanto a Alemanha. Detalhes mudam vidas, mudam histórias, e agora eles penderam para Alemanha - para euforia, absoluto delírio, da torcida brasileira presente no Maracanã.

A seleção germânica se iguala à Itália como tetracampeã mundial. O Brasil segue soberano, com cinco, e a Argentina continua com duas. O terceiro duelo entre alemães e argentinos em finais é também a primeira vez em que uma seleção europeia ganha a Copa no continente americano.

O mundo diante de Higuaín

Sussurros seriam ouvidos do outro lado do estádio se alguém ousasse abrir a boca aos 20 minutos do primeiro tempo, naqueles dois ou três segundos de mutismo coletivo em que Higuaín recebeu uma bola de presente de Toni Kroos e, sozinho, avançou com ela na direção de Neuer. Existem chances que não se perdem nem em peladas de família, quanto mais em uma final de Copa do Mundo, mas o atacante argentino, talvez embasbacado pela oportunidade que ganhara, talvez se perguntando se merecia tanto, cometeu a insanidade de desperdiçar o gol.

Higuaín perde gol feito no começo do jogo e depois tem bola na rede anulada (Foto: Reuters)

O problema é que o futebol tem algo de rancoroso. O mesmo Higuaín, alguns minutos depois, entrou na área feito um caminhão sem freios, aproveitou cruzamento de Lavezzi, lá da direita, e mandou para as redes. Saiu vibrando, em surto, correndo como um sujeito que daria a volta ao mundo se o Maracanã não tivesse paredes, mas aí o teto dele desabou: do outro lado, o auxiliar, esse corta-prazeres de atacantes, tinha sua bandeira erguida. Correto: o atacante estava de fato impedido.

A grande questão é que os dois lances, acrescidos de uma arrancada assombrosa de Messi (cortada por um Boateng que só precisa de um par de asas para ser decretado anjo da equipe), mostram que houve algo de errado no sólido reino defensivo germânico. Os problemas começaram antes de o jogo começar, por mais estranho que pareça. Khedira, peça essencial na engrenagem do meio-campo, sentiu dores musculares no aquecimento. Não foi a campo. Entrou Kramer, que só tinha jogado 11 minutos na Copa inteira e também sairia lesionado, ainda no primeiro tempo, para a entrada de Schürrle.

Frigidos os ovos, é notável que a Argentina fez muito bom primeiro tempo – e não foi graças apenas aos eternos incômodos causados por Messi e suas disparadas de homem de mil pernas. Também pela defesa. E mesmo se baseando em uma estratégia curiosa: deixar Schweinsteiger passear pelo campo como se estivesse de férias. Alejandro Sabella, por algum motivo, preferiu concentrar atenções em acossar os atletas servidos pelo camisa 7, não o próprio. A tática parece suicida, mas até que deu resultado. Porém, quase ruiu no finalzinho da etapa, quando Höwedes subiu nas cercanias da estratosfera para cabecear na trave argentina. No rebote, a bola ainda bateu em Müller, e Romero defendeu, mas o lance já estava anulado por impedimento.
Quase, Messi!

A expectativa de qualquer ser humano alimentado de esperanças é que Messi, ao ir para o vestiário, seja acometido por uma crise de piedade e resolva parar de infernizar defesas alheias. Mas não costuma acontecer – quem não voltou foi Lavezzi, substituído por Agüero. Com menos de dois minutos no segundo, a Pulga recebeu em profundidade na esquerda e mandou um chute cruzado que triscou a trave protegida pelas luvas de Neuer. Quase.

Messi bate, e bola passa muito perto da trave esquerda do goleiro Neuer (Foto: AFP)

A partir daí, as chances de gol se tornaram mais escassas. As equipes encontraram dificuldades de escapar ao ataque, e o jogo ficou mais preso nos limites entre uma intermediária e outra. A parte final da construção passou a ter repetidos erros de lado a lado – linda jogada de Özil poderia ter resultado em gol mesmo assim, mas Kroos bateu mal. E a prorrogação começou a dar as caras no Maracanã.

As duas seleções, com o passar do tempo, ficaram mais e mais encabuladas de tentar movimentos que expusessem suas defesas. Mesmo as trocas foram comedidas: Palacio no lugar de Higuaín e Gago no de Enzo Perez na Argentina; Götze na vaga de Klose. Consequência: prorrogação.

O último ato

A Alemanha entrou na prorrogação babando de vontade de ganhar. No primeiro lance do tempo extra, Schürrle quase marcou. Romero espalmou o chute do atacante. A Argentina, fechada, deixou claro que se abraçaria aos contra-ataques, e os europeus passaram a ter domínio do jogo – mas sem grande contundência.

A tensão era evidente no Maracanã – era quase um organismo vivo. E Palacio quase fez. Em rara falha de Hummels, o atacante conseguiu dominar na área e tocar por cima de Neuer, mas a bola saiu.

Os minutos finais foram duros, pegados – a ponto de Schweinsteiger sair sangrando depois de Agüero deixar o braço no rosto dele. Ficou evidente o cansaço das duas equipes e a impressão de que só uma jogada aleatória poderia evitar os pênaltis.

Mas não houve aleatoriedade. Houve talento. Schürlle, brilhante, fez ótima jogada e mandou na área. Götze encontrou, ao matar no peito, encontrou a bola e a posteridade ao mesmo tempo. Mandou para o gol. Mandou para a história - para a história de uma enorme tetracampeã!

903 visitas - Fonte: globoesporte.com


Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar!

Enviar Comentário

Para enviar comentários, você precisa estar cadastrado e logado no nosso site. Para se cadastrar, clique Aqui. Para fazer login, clique Aqui.

Últimas notícias

Próximo Jogo - Campeonato Mineiro

Quinta - 20:30 - Mineirão - PFC
Cruzeiro
Caldense

Último jogo - Brasileiro

Qui - 19:15 - Arena do Grêmio
Grêmio
2 0
Cruzeiro
Untitled Document
Classificação
1 Flamengo
2 Santos
3 Palmeiras
4 Grêmio
5 Atletico Paranaense
6 São Paulo
7 Corinthians
8 Internacional
9 Fortaleza EC
10 Goiás
11 Bahia
12 Atletico-MG
13 Vasco DA Gama
14 Fluminense
15 Botafogo
16 Ceará
17 Cruzeiro
18 CSA
19 Chapecoense-sc
20 Avai
P J V E D GP GC SG ÚLT. JOGOS
90 37 28 6 3 86 33 53 EVVVV
71 37 21 8 8 56 33 23 EVDVD
71 37 20 11 6 59 32 27 EDDDV
65 37 19 8 10 62 36 26 DVDVV
63 37 18 9 10 51 32 19 VVVEV
60 37 16 12 9 37 29 8 EEVDV
56 37 14 14 9 41 32 9 EDVDV
54 37 15 9 13 42 38 4 EEDVD
50 37 14 8 15 48 48 0 VEVVE
49 37 14 7 16 43 62 -19 EVVDD
49 37 12 13 12 43 41 2 EDEVE
48 37 13 9 15 44 47 -3 EDEVV
48 37 12 12 13 38 44 -6 EEDVE
43 37 11 10 16 36 45 -9 EVVEE
42 37 13 3 21 30 44 -14 DVVDD
38 37 10 8 19 35 40 -5 DEDED
36 37 7 15 15 27 44 -17 EDDDD
32 37 8 8 21 23 56 -33 DDVDD
31 37 7 10 20 30 51 -21 VVDDV
19 37 3 10 24 18 62 -44 EDDED
Libertadores Pré-Libertadores Sul-Americana Rebaixados
vitoria empate derrota